“Viaje de estudios”: tem indie na Espanha

Junho de 2004: uma banda como tantas outras lançava seu primeiro CD com um pocket show na Fnac de Callao, em Madrid. Enquanto isso, uma jovem repórter passava suas férias na Espanha. A jovem repórter era eu. A banda era a Lori Meyers. Formado por quatro rapazes de Granada – Miguel, Alejandro, Noni e Alfredo – , o grupo reuniu uns 20 curiosos (e duros, já que o show era de graça) num fim de tarde. “Viaje de estudios”, o tal CD, era de uma delicadeza incrível. Duvida? Escuta aqui “Tokio ya no nos quiere”.

Daí que no fim do show, claro, comprei o CD e fui bater um papo com Noni, o vocalista. Na cara de pau mesmo, néam. Disse que era jornalista e que morava no Brasil. “No Brasil? Que bacana! Temos vários amigos em São Paulo, você mora perto?”. Achei graça e me despedi.

Corta. 2010, Noni e os meninos não pararam. Depois de “Viaje de estudios”, veio “Hostal Pimodán” – que tinha um clima um cadinho mais adulto. Mais um capítulo na eterna saga por referências: o nome do CD remete diretamente ao Hotel Pimodán, citado por Baudelaire em “Paraísos artificiais”, “a kind of solitary oasis”. E depois de “Hostal Pimodán” veio “Cronolanéa”. E agora veio “Cuando el destino nos alcance”, lançado nesta semana na mesma Fnac de Callao com um mesmo pocket show, onde eu espero que outra jovem repórter de férias tenha ido para depois poder passar essa pérola adiante.

(Se eu fosse você, para entender mais sobre Lori Meyers, ouviria “Dilema”, do “Hostal Pimodán”, ou “Luciérnagas y mariposas” , do “Cronolanéa”. Mas minhas preferidas são outras duas do primeiro CD: “Ya los sabes” e “Viaje de estudios”, com um dos climas juvenis mais felizes do mundo. E “Mujer esponja”? Difícil escolher)

Agora o quarteto virou um sexteto, com a efetivação de Miguel e Antonio, que já trabalhavam com a banda e foram, como dizer, promovidos. E o CD novo, dizem, tem um toque meio retrô, meio futurista. Em entrevista à Europa Press, Noni disse que suas influências vão de Beach Boys a Sonic Youth.  Comentou que começou a tocar aos 18 anos, e que agora tem 28. E falou, claro, sobre a indiezice – tá achando que é só aqui que perguntam sobre isso?  Tolinho. ” ‘Indie’ é o grupo que é independente das fórmulas radiofônicas ou do que os outros estejam fazendo. Ser ‘indie’ é quando te dizem como fazer as coisas e você responde ‘creio que tenho a capacidade de saber fazer como eu quero’”.

Ah, uma das faixas do novo CD é “Explica-me”, que você pode ouvir clicando bem aqui, ó.

PS: O motivo do sumiço está bem aqui, no Blog de Aguinaldo Silva.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>